A essência: nossa e a alheia

Eu sou completamente favorável às sutilezas. Os detalhes. Os reparos.

Muitas vezes escrevo sobre isto, pois para mim, faz muito sentido. Reparar nas delicadezas faz a nossa percepção do mundo mudar. Ficamos mais atentos para aquilo que realmente importa.

Notar um sorriso sincero, observar a beleza de uma flor, sentir o vento no rosto, se emocionar com uma música ou com palavras bonitas que vêm da alma, perceber a tristeza escondida de alguém, tudo isto são detalhes, mas que fazem toda diferença.

Tem gente que acha que isto é ser “muito sensível” e que demonstra fraqueza. Já ouvi muitas vezes:

” – Nossa! Como você é sensível!”

E eu pensava que era um defeito meu. Que eu devia ser mais durona ou talvez mais forte.

Associava força com frieza. Erro muito comum de quase todo mundo. Aquilo que não compreendemos temos a tendência de diminuir, menosprezar, deixar como algo ruim.

Hoje, quando me dizem esta frase até bate num primeiro momento este pensamento de que sou “molenga”, mas depois penso o quanto esta sensibilidade me aproximou de pessoas tão sutis e gentis em meu caminho. O que faz eu querer cada vez mais assim.

Jamais deixe sua essência de lado para agradar a essência alheia!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*
Website